Transdução como invenção entre os campos da partitura e da sonoridade

Resumo

O presente artigo pretende trazer propostas acerca da partitura e das possibilidades de improvisação, tendo em vista o desafio em transferir para o meio gráfico uma composição sonora que somente acontece no e com o tempo. Tradicionalmente no campo da música a partitura é uma representação escrita padronizada, composta por símbolos próprios que são associados a determinadas frequências sonoras, com durações e intensidades. Mas se ampliamos a percepção para uma escuta aberta e sem barreiras, abraçando todas as variações de barulhos e ruídos que nos envolvem em paisagens sonoras em constante transformação, o desafio se torna ainda mais complexo. Aqui está a impossibilidade de uma tradução literal, mas também uma potência. Na física, a transformação de uma energia em outra de natureza diferente se denomina transdução. Pensar esta passagem entre linguagens não mais como tradução e sim transdução é ativar uma zona intermediária entre os campos do gráfico e do sonoro e que também potencializa ambos (processo semelhante ao que Augusto de Campos denomina “transcriação”).

O artigo irá discorrer sobre peças sonoras criadas partindo desta relação, no qual a relação entre partitura e som se dê de forma não hierárquica ou de controle, como se configura na prática musical tradicional. A partitura não mais como guia para a execução de instrumentos mas sim uma transdução em direção a uma energia ainda não nomeada. Uma partitura que se auto-inventa através do exercício de ouvir o som impresso na página e executá-lo com instrumentos musicais. Cabe também ressaltar que cada composição surgiu da interação entre participantes em diferentes instrumentos, com habilidades diversas, em formato de improvisação, sendo que imagens gráficas se tornaram os estímulos para a criação musical. Tais composições são o resultado de uma das linhas de investigação do Lab. S.O.N.A.R. – Laboratório de Sonoridades, Organicidades, Nomadismos, Artes e Radiofonias, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Texto na íntegra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s